2 de out de 2010

Retrato de um olhar em sérpia


ao som de Bruna Caram



para quem eram escritos poemas, cartas que não foram enviadas,
sonhados sonhos que não se concretizaram ;
para quem se tornou um retrato em sérpia
nas paredes da memória
Eu gosto de pessoas que sorriem com os olhos.
Eu gostava quando nosso café era tomado as quatro da manhã de um domingo
em algum lugar quente da Vila ou entre as Alamedas dos nossos sonhos.
Tomávamos café antes do despertar,
pois, ainda não havíamos dormido,
Brincávamos com o tempo,
desfazíamos a sua lógica exata.
E quando nos despedíamos em alguma plataforma fria
do leste europeu, que era uma parte também nossa,
me sorria com os olhos,
com a boca,
às vezes com o corpo inteiro.
E assim seguíamos nosso sonho de eternidade
entre montanhas de papéis e
escadarias de vidro sem cor.
E não temíamos nada,
não pedíamos nada,
também nada perdíamos
e não queríamos mais nada.
Eu gosto de pessoas que sorriem com os olhos,
pois, assim quando se tornam ausência,
o que me lembro,
são dos olhos que sorriam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário