30 de jul de 2011

qualquer coisa tua

um sorriso
um abraço
uma piscadela do olho direito
um beijo

um tapa
um fora
uma lágrima solitária
um adeus

quero qualquer coisa tua
para diminuir essa ausência
essa solidão que é toda
minha

23 de jul de 2011

a little girl blue

Amy,

que péssima surpresa, ligar a TV e saber que você não soltará mais a sua poderosa voz. Que não haverá mais um CD novo, ou outro show, nem você com seu cabelo enorme e os olhos negros...

Há mais de quatro anos, quase cinco, você embalou meu momento hard, punk, fossa da primeira grande decepção amorosa, Back to black foi tão importante na minha vida. Depois quando mudou a fase, troquei a faixa e então Me and Mr. Jones era ouvida repetidas, inúmeras vezes. 

Depois foi a fase drogas, escândalos e rock and roll... mas a sua voz continuava incrível, ao menos no meu mp3. 

little girl blue, você era das minhas... foi intensa até o último momento... descanse em paz... Diva e muito provável e merecidamente lenda da música:


21 de jul de 2011

Aos pés de Ana C.

Estou atrás

do despojamento mais inteiro
da simplicidade mais erma
da palavra mais recém-nascida
do inteiro mais despojado
do ermo mais simples

Ana Cristina César

20 de jul de 2011

Amigos...

Tá tudo tão chato nessa cidade, é muita gente sem graça. Sinto tanta falta de tudo. Falta a gente pagando mico juntos, fofocando da nossas vidas e da dos outros(...). Falta alguém como você aqui, sabe? Lembro que quando te conheci de verdade, eu pensei, "não é possível que ele seja assim". A gente se entendeu de cara (...). 

Do eterno amigo (todo queimado de sol... um horror) rs.

Amizade é sem dúvida uma das coisa mais preciosas que temos na vida. É um dos meus maiores tesouros, meus Amigos são minha família. São da família, a que eu escolhi. Eles têm me acompanhado há tanto e há tão pouco tempo, de tão longe e diariamente, me conhecendo desde quando era mais gordo, careca, cabeludo, sem óculos, com óculos, ou então conhecendo apenas minhas palavras e virtualmente. 

Hoje uma Amiga, dessas com A maiúsculo me mandou felicitações de "Feliz dia do Amigo", e isso me encheu de saudades e de uma nostalgia. Eu passei a lembrar do rostinho e/ou das palavras dessas especiais criaturas que me aturam e ainda me amam como eu sou. Quanta alegria, por tê-los e ao mesmo tempo quanto medo de perdê-los. Lembrei daquela que não chegou a ser amiga, mas que tinha a minha admiração e que recentemente partiu, inexplicavelmente, numa injustiça da vida. Sei que é egoísmo, mas me peguei pedindo para nunca ter que passar pela situação de atender o telefone e saber que um dos meus partiu tendo a vida inteira pela frente e estupidamente. 

São por eles, por vocês, que eu torço. São as suas vitórias tão especiais para mim, como se fossem minhas também, e são. Como quero vê-los conquistar tudo o que desejam: o emprego almejado, o namorado tão esperando, o casamento do sonho, a gravidez tão desejada, a viagem, a bolsa, o mestrado, o doutorado... Torço para que sejam todos tão felizes, pois sabendo que estão bem, eu também ficarei bem. 

Sei que não é fácil aguentar uma pessoa tão emocionalmente instável quanto eu, mas vocês conseguem, vocês conseguiram, e até aquelas discussões idiotas que já tivemos se tornaram especiais. E quando, por exemplo, recebo um abraço apertado na hora certa ou palavras tão lindas quanto as do Gabriel, que aparecem lá em cima, eu vejo que tenho junto de mim um exército de gente do bem, pessoas do caralho, ou como denominávamos a "tchurma" dos tempos de escola, a Turma da Patifaria

E, aos amigos que assim como o Gabriel estão meio longe de mim, digo meio, porque preciso pegar um ônibus, um avião, ou um navio para chegar até vocês, mas basta pensar em vocês, que posso ouvir a voz, recordar a risada, voltar àqueles momentos só nossos, saibam que amizade sobrevive, ao tempo, a distância, basta ter uma bela base de verdade que quando nos encontrarmos na esquina no aeroporto e em algum cruzamento pelo mundo vai ser como se o tempo não tivesse passado, e tivesemos nos visto ontem.

E, Gabriel às vezes você consegue ser tão mais que eu, por isso te adoro tanto. Você que é mistura de anjo, Príncipe (le petit prince) e pimentinha. Meu irmão mais novo, que não tive biologicamente, mas que a vida tratou de me dar, assim como o mais velho que apareceu depois que você partiu para essa cidade de mar e sol. A distância não é tão, uma imensa rodovia nos separa, um de nós precisa cruzá-la logo, para rirmos ainda muito dos desastres que cometemos no meio do caminho, como da vez que eu caí da cadeira, ou você da escada; da minha incrível capacidade de ficar fora do ar alguns minutos e não entender até o que uma criança entenderia, ou, dos seus fora homéricos. E por falar em foras precisamos bebemorar os nossos, e as nossas conquista também, as minhas acadêmicas, e as suas sentimentais e profissionais. Saudades.

Saudades, de alguns no plural, porque a vida têm sido generosa e me dado vocês, mesmo estando assim... longinho.


Feliz dia do Amigo!!!




P.S. 1) Feliz dia do amigo a todos, aproveito para estendê-lo aos amigos blogueiros que enchem minha vida de belas palavras. 
2) Não vou citar nomes para não ser injusto e esquece de ninguém, mas sei que saberão que este texto é para vocês, todos. 
3) Só citei o Gabriel porque o e-mail antigo dele, motivou esse post. E, porque estava devendo um post pra ele desde então. Gabriel el, el, prometo que ainda terá o seu post exclusivo. (Assim como os outros... rs)
4) Um beijo a todos.  

14 de jul de 2011

12 de jul de 2011

L.,

hoje me peguei ouvindo Marcelo Camelo. Lembrei da época que Los Hermanos cantava pra mim, da época que as músicas eram nossas. Tá tudo tão diferente, quase nada lembra o garoto que só ouvia Cássia, Elis e Los Hermanos e que só usava preto. Agreguei outros tons, outros sons (dos mais variados). Quanta coisa mudou... Queria tanto saber o que mudou e o que continua igual pra você, será que você ainda ouve Los Hermanos? Será que ainda continua com o seu "perfect boyfriend"? Será que ainda lembra que juramos amizade eterna? Bateu saudade de tudo que vivemos, de te ouvir, de poder contar sobre o meu mais novo fracasso sentimental.  Os teus caminhos te levaram pra longe, os meus continuam apontando à direção conhecida. 


A.,  

hoje me peguei ouvindo Marcelo Camelo. Lembrei da época que Los hermanos cantava pra mim. Hoje, Camelo já sem o hermanos e com a malu (infelizmente duas vezes) cantou pra mim. Os teus caminhos te levam pro norte, os meus para o sul, mas a distância é tão pequena, porra, duas cidades praticamente gêmeas (há pessoas que conseguem superar os caminhos que apontam para continentes diferentes). Eu quis te conhecer, convencer, aceitar... pensei em insistir, mas não dá! "Eu ando em frente por sentir vontade" e sei que sentirei saudade.

7 de jul de 2011

"Eu quero mais de você!", li a frase em algum lugar que é claro não vou lembrar onde. E já não lembro o contexto, mas ela ficou ressoando na memória e adquiriu uma beleza tão grande. Talvez seja a frase que tanto espero e que tanto temo ouvir. Porque meu mais é meu tudo, cento e trinta por cento, e talvez quem a diga não esteja preparado para tanto...

5 de jul de 2011

tendo lindo tanto sobre viagens nos últimos tempos, lugares que não conhecia
talvez, tenha entendido que na verdade o segredo seja as paisagens
fecha os olhos para imaginar lugares belos
mas teu corpo é a única coisa que vê
se acostumou a associar tudo o que é belo a você
e teu corpo, como a cidade dos sonhos ou das luzes
é a bela paisagem que ainda não decifrou totalmente
ele então, cobre os olhos para ter ver melhor
como o luzir de um projetor na sala escura do cinema
que já não é o liz nem o belas artes

4 de jul de 2011


"Só quero que você me aqueça nesse inverno 
e que tudo mais vá pro inferno..."

3 de jul de 2011

Dos "ãos" aos "ões".


E de repente, percebeu que o importante era se divertir. Resolveu a partir de então permitir-se. Permitiu-se esquecer tantos planos, números e conceitos pré-estabelecidos. Passou a privilegiar o caminho, mas que o destino. Começou a viver. 

Comecei a viver, sabe aquela balela de um dia de cada vez, é tão mais simples, mas como foi difícil alcançar essa simplicidade. Os sonhos continuam surgindo a cada dia, mas sem qualquer obrigatoriedade. E, as frustações diminuíram tanto. 

Diminuíram as frustações, as decepções e as angústias. A vida então adquiriu novos tons, sons, sabores. Resolveu experimentar e percebeu que nem tudo o que antes deixava do lado de fora do seu complicado mudinho quase perfeito era tão ruim assim. 

Descobri que não existe perfeição, e que quero meu mudinho repleto de devaneios. Eu não sou perfeito. Mas continuo responsável e perfeccionista... é não sou perfeito. 

Aquilo que julgava perfeito mostrou-se tão sem graça. Foi encontrar alegrias naquilo que sempre enquadrou na prateleira do nunca: desistiu, quando antes lutaria até o fim, o que se revelou um jeito tão mais digno e simples de encarar as coisas, dizer que não podia mais foi muito mais fácil que violentar-se insistindo só para não dar o braço a torcer. Divertiu-se com bobagens que jurava não ter qualquer graça. Foi a balada que jurava nunca ir; ouviu e gostou aquelas músicas que jurava não ser pra si. E, foi encontrar o afeto que buscava na pessoa que menos se enquadrava nos seus padrões pré-estabelecidos de cara ideal, sim era mais novo, fumante, morava longe, mas no fim pareceu ser tudo o que buscava. Então deixou de criar barreiras. 

Desfiz minhas barreiras, hoje percorro caminhos distintos a cada instante. Não há mais espaço para os ãos: não, decepção, frustação... estou (e espero ter me tornado) um ser de ões: diversões, emoções, paixões...