31 de dez de 2014

Desejos

Amigos, 
Brinde, beijo, bocas,
Carinho, carnaval, conquistas
Dádivas,
Esperança, êxitos 
Força, flores
Graça, gracejo, gelo,
Honestidade,
Inteligência, independência, invenções 
Juventude, 
Love, 
Magia,
Namoro,
Ordem, desordem, orgias,
Paradoxos, proteção,
Quimeras,
Risos,
Saúde, sabedoria, sexo,
Tranquilidade,
União, 
Viagens, viva!,
XXX (pausa)
Zoeira!

Recomeçar sempre!

P.S. Um Feliz 2015 a todos!!! 

Obrigado 2014!

2014 foi um ano de realizações, recomeços, reinvenções. Teve alegria, festa, riso. Mas também sustos, tristezas, decepções. Algumas pessoas passaram e se foram por vontade própria, outras chegaram, ficaram e fizeram o ano acontecer, outras, ainda, se foram por força da natureza, enquanto algumas pessoinhas surgiram para me fazer sorrir. Agradeço os ensinamentos e aprendizados, as conquistas, a saúde, a vida. O saldo é muito, muito positivo. Um brinde a felicidade e força para seguir adiante. 

1 de nov de 2014

Eu ia te falar que você estava começando a se tornar imprescindível, 
mas, quando notei você já não estava lá. 

19 de out de 2014

sonho dos poetas

a poeta fala de sonho
o que sonhou no último sábado
isso me atinge em cheio
não tenho mais sonhado durante as noites
nada
beijo morte água voo queda sexo briga dança 
nada disso
breu total 

***

tenho sonhado acordado
com uma voz que desconheço
e que sussurra palavras ininteligíveis 
que me arrepiam
com olhos profundos 
e um sorriso doce
que ainda não reconheço 

***

tenho sonhado acordado
com o aquele cabelo claro
branco de tão loiro
a pele lisa
e clara
Deutsch
com a língua dele
que não compreendo 
com o frio de berlim

***

tenho sonhado acordado
com a voz grave
da cantora cubana
"logro decirte que te quiero, 
que tu eres todo lo que anhelo"
com ele que sorri 
e confessa
"it isn't portuguese
I can't undestand"

***

tenho sonhado com o sol de havana
a neve de berlim
a viagem
a aprovação
com a forma única
na qual me disse
fi-ca-mos

é real? 






4 de out de 2014

apareça!

disse oi! duas vezes. antes de tudo sorri e respondi: oi!  antes não tivesse dito? ou, os dados ainda estão rolando? não sei. não sei se foi o frio, o nariz torto, o sorriso largo, os olhos puxados, os lábios grossos, nada disso. foi tudo isso que nos fez ficarmos horas seguidas emendando um assunto no outro. o espelho, a sua cama de solteiro (convite para que dormisse sobre meu peito), a tatuagem sobre o amor, a promessa de domingos de sol no Ibirapuera ou de noites de filme, pizza de queijo e pipoca doce, sua barriga saliente, o rosto fino, o jeito doce, a risada inesquecível, a manha de todo caçula. o beijo que tanto desejo. as horas sozinhos, a espera pelos encontros... as listas e mais listas que fiz para entender porque você é inesquecível. não entendi, mas você é. não faça eu ter que te apagar a pulso de minha lembrança, de meu corpo, da minha vida... 

21 de set de 2014

16 de set de 2014

Procura-se

Fui roubado!
um marginal me roubou
a paz e a tranquilidade dos meus dias
e junto levou meu coração
um marginal de gorro marrom 
e nariz torto 
que sumiu no meio da noite
me deixando louco

7 de set de 2014

a salvação de cada dia nos dai hoje 
e sempre
o amor e o caos
ser ridículo é que questão de escolha 
resolvi evitar isso

6 de set de 2014

Todos, invariavelmente, acabam indo embora. Restando-me apenas os livros e as músicas como companhia. E as lembranças como fantasmas... 

17 de ago de 2014



É preciso: 
virar a página
saltar do carro em movimento
fechar a porta e nunca mais voltar a bater
mudar os ares, 
de cidade,
de país
quem sabe de continente
queimar fotografias
redistribuir os presentes
formatar o HD
pintar as paredes do quarto
apagar as memórias
enterrar os seus restos
te mandar a puta que pariu
mas ainda não consegui dizer adeus

16 de ago de 2014

entre rostos, bocas e corpos que sobrevivem na memória
há sempre aqueles que tornam esses momentos de silêncio e solidão
momentos de dúvidas hipotéticas de se:
tivessem ficado, correspondido, insistido.
Talvez a cama coubesse mais um
a cidade não seria tão grande para um solitário sozinho
a chuva fina que caí lá fora não serviria como desculpa para se
      [enfiar sob os cobertores e esquecer que afinal é sábado à noite
a angústia seria menor
talvez

nada é certo 
só a velha dor que insistiu em dar as caras! 

13 de jul de 2014

dos encontros

eu sei que um dia, um desses encontros casuais não será mero acaso, flerte, sorte, atração; não importará passado, nem cicatrizes; nem nos preocuparemos com compromissos futuros, agenda, horários. porque a história será dividida entre o antes e o depois de tal encontro. e não colocaremos empecilhos para dar continuidade, buscar a presença constante, se fazer presente e abrir o coração por inteiro, se expor, perigosamente, aos olhos de outro alguém sem temor e sem vergonha. afinal, entre encontros e desencontros, em algum momento há de acontecer a união das metades cindidas pela ira dos deuses que andam errantes e errando mundo afora. 

18 de jun de 2014

rumo ao amanhã

para D. A. 

a quilômetros de distância
teus olhos me guiam
como se fossem um farol
mas não são
e isso dá um brilho especial
torna tudo mais humano
e possível

7 de jun de 2014

É a vida
se refazendo
e se desfazendo
na menina de beleza
encantadora
no guri de olhos
espertos 
no senhor que
fechar os olhos
para o sono eterno

há dor e beleza
em tudo

17 de mai de 2014

Há ausências demais para serem contabilizadas. Eu não me arrisco a fazê-lo. Não é que a vida tenha sido difícil nos últimos meses. Pelo contrário, as coisas vêm dando certo ultimamente. Mas, quando a festa acaba, as pessoas vão embora, eu fico só. Depois de um dia de trabalho, de correr pra cima e pra baixo, falar com um, com outro, falar com muitos ao mesmo tempo, a noite caí, eu estou só. O resultado é o desejado: conquista, alegria, alguns parabéns, mas eu volto para casa não tem com quem comemorar nada, volto a ficar só. Pra quê tudo isso, se acaba sendo várias batalhas solitárias? Na derrota ou glória, não importa, somos eu e eu mesmo. Qualquer esperança de que o cenário possa mudar em breve e alguém se arrisque a me acompanhar em tudo isso acaba resultando em silêncio, ausência, decepção...
E ao me perguntarem: "O que tornaria seu fim de semana melhor?". Me deparo respondendo de forma melancólica, mas espontânea: uma companhia. 

Nunca fui como todos!

Nunca fui como todos 
Nunca tive muitos amigos 
Nunca fui favorita 
Nunca fui o que meus pais queriam 
Nunca tive alguém que amasse 
Mas tive somente a mim 
A minha absoluta verdade 
Meu verdadeiro pensamento 
O meu conforto nas horas de sofrimento 
Não vivo sozinha porque gosto 
E sim porque aprendi a ser só...

Florbela Espanca

21 de abr de 2014


Na primeira vez que li Adília, estranhei. Na segunda me interessei. Na terceira me encontrei. E vi que ali tinha muito o que descobrir.... Porque Adília é foda!


"Nunca fodi. Mas não me importo de morrer sem ter fodido. Apaixonei-me. E ninguém por quem eu me tenha apaixonado se apaixonou por mim. Acho horrível uma pessoa foder sem estar apaixonada. Acho horrível uma pessoa nunca ter se apaixonado. Acho que é o pior que pode acontecer a uma pessoa. Não é nunca ninguém ter se apaixonado por nós. É tão horrível alguém apaixonar-se por nós e nós não podermos corresponder. As paixões desencontradas são como as cabeças trocadas.
*
Posso morrer porque amei e porque fui amada. Gostei de homens, de mulheres, de velhas (de velhos não), de bebés, de bichos, de plantas, de casas, de filmes, de concertos, de quadros, de teorias, de jogos, de pastéis de nata, de jesuítas, de russos, de hamburguers, de Paris e de Londres.  Nunca fui a Nova York e gostava de ir, mas não me importo de morrer sem ter ido. Também nunca tive um orgasmo, mas posso morrer sem nunca ter tido um orgasmo. Não me arrependo de nada. É claro que Nova York não se compara com um orgasmo. Um orgasmo é muito mais importante.
*
Para foder, nestes tempos que correm, parece que é preciso um escafandro. As pessoas pensam muito em foder. E sofrem muito quando não fodem. Quem não pensa em foder está fodido. Mas as pessoas fodem e não são felizes.
*
O deserto está perto. Sempre. Mas o deserto é fértil.
*
Pateta, patética, peripatética: eu."


Adília Lopes In: Irmã Barata, Irmã Batata (2000).  

19 de abr de 2014

há tanta cumplicidade na forma como eles se olham
eu observo
no tom da voz com que um chama o outro
eu percebo que há mais que cumplicidade
há momentos compartilhados, histórias divididas entres os dois
tempo conquistado 
juntos
eu observo
o que eu nunca tive
e me pergunto 
por quê?

5 de abr de 2014

Sobre Ir ou Ficar

"ir embora é uma história que você começa a contar e que, como o início de todas as histórias, vale não pelo que significa mas pelo que pode vi a significar. 
Então você pode muito bem começar a contar uma outra história: aquela em que fica. Em que abre as janelas para a mesma rua. Não tem mala, passagem de trem ou ônibus ou avião.
Não precisa descobrir nada, conhecer nada, não precisa ir riscando itens de uma lista. Pode se satisfazer com aquilo que é familiar" 

Adriana Lisboa In: Hanói, p. 168

31 de mar de 2014

meu aliado


                               O tempo é sagrado

                                 O tempo 
                                 é sagrado

                                 O tempo 
                                 é templo


Adília Lopes

27 de mar de 2014

psiu...

Você pergunta: tudo bem?
Eu respondo: Estou bem e você?
Você responde: Tô bem, também. 

Eu menti pra você. Tenho feito isso às vezes, sobretudo, quando me perguntam "tá tudo bem?". Não. Não está nada bem. Era essa a vontade que tive, te dizer a verdade: que tudo está péssimo; que você acabou com a minha tranquilidade, destruiu meu equilibro. Queria te contar que passei o sábado e o domingo jogado na cama pensando em você. E, que ainda não consegui ler o livro que você me deu no natal passado, pois toda vez que pego nele lembro de você, de nós na fila do ônibus e minha vista fica embaçada de lágrimas. Queria te contar que me sinto um idiota, há mais de 60 dias não te encontro, mas quando eu fecho os olhos é o seu rosto que eu vejo. Que me envergonho, também, por desejar que você de repente perceba que eu sou melhor que o seu namorado, e volte atrás e me peça perdão, e peça pra voltarmos. Eu tento me convencer que não te quero mais, mas meu coração não quer obedecer; e apesar de você ter sido o maior de todos os filhas-da-puta-mentirosos eu ainda te quero. Preciso achar um outro cinema para ir, porque desde que você desistiu de nós nunca mais tive coragem de voltar aos cinemas da Augusta, eu lembraria de você a cada segundo. Besteira. eu ainda lembro de você todos os dias, mesmo no escuro. Eu ainda queria te contar que de um mês pra cá as coisas começaram a melhorar, mas não vejo motivos para comemorar, porque tudo o que está acontecendo eu esperava comemorar com você, afinal, no começo de algumas e no meio de outras foi pra você que contei o que eu esperava alcançar e contigo dividi as irritações e frustrações de boa parte delas... 
Enfim, eu tenho omitido muitas coisas. E se me perguntar, mesmo que esteja prestes a enlouquecer de tanta saudade-raiva-amor, direi que estou bem! 


Foto by: Jordan Tiberio
(Conheçam a história da foto aqui

P.S. C. para B!

22 de mar de 2014

b.
eu não sei porque
ainda sinto tanta saudade de você
seria mais fácil se eu te apagasse da memória
borrasse as linhas que preencheste com o teu sorriso
porém a tua ausência é cicatriz
que o tempo ainda não apagou

18 de mar de 2014

w.  

sonhei com você. acordei assustado, respiração ofegante, coração apertado. espero que seja apenas saudade. passei o dia com o pensamento em você, não que já tenha lhe esquecido, acho que ainda me lembraria de cada parte do seu corpo. das datas. dos lugares. das paredes que testemunharam as horas que dividimos. sonhei com você e não foi um sonho bom. me angustia a ideia de que vire um fantasma. você jamais tomou qualquer atitude para ocupar este lugar na minha história. me angustia te ver esmaecendo ainda que em sonho. prefiro as suas cores que discretamente iluminam ao redor...

12 de mar de 2014

Pelas letras de Clara

Clara é dessas autoras do tipo maga, que decifram o que você sente e não sabe definir em palavras... Desde a primeira linha, o que já faz algum tempo, eu me reconheci em suas entrelinhas doídas, verborrágicas e emocionais ... Ai, ela melhor do que ninguém já havia transcrito o que eu quis dizer, escrever, ordenar em letras garrafais: 



"Eu disse que aguentaria qualquer coisa, mas não contava com o silêncio. Não sabia onde ele estava e não queria, não podia telefonar. Queria ser seu refúgio, e a gente procura os refúgios quando quer fugir do mundo. Ele sabia onde me encontrar. Esperei. Com o coração apertado de novo, pressão na cabeça e uma puta dor na alma." 



Clara Averbuck, In: Vida de Gato, p. 27

11 de mar de 2014

O Fim

Há coisas inevitáveis. Outras passamos por burrice. Outras porque nem todo mundo que cruza nosso caminho sabe o significado das palavras sinceridade, lealdade, verdade. Eu evitei até onde pude sentar diante do computador para escrever sobre o fim, mas como diz uma amiga: é preciso sublimar.
Escrever também sempre foi um ato de vingança, de colocar pra fora minha revolta, minha tristeza. Vomito em palavras o que ainda ficou entalado no meio da garganta. No caso minha decepção. Eu não picharei seu muro, não escrevei cartas anônimas, nem mensagens inconvenientes no Facebook. Não faz o meu estilo, eu digo na cara, viro a mesa, mando ir para a puta-que-o-pariu sem pensar duas vezes. Mas quando eu digo "eu gosto de você", é porque eu realmente gosto de você. Em breve esse verbo estará no pretérito perfeito, não duvide disso.
Tudo tem começo-meio-fim, o fim na grande maioria das vezes é a pior parte. No entanto, mesmo assim há maneiras dignas de dizer adeus, tô indo, não dá mais, não é você que eu quero na minha vida. Nenhuma dessas frases é fácil de se ouvir, mas primeiro dói, depois a gente entuba a dor, ergue a cabeça e segue em frente. Mas, meias-palavras, coisa escondida, desculpas insólitas, sinto informar: não ajudam em nada, ainda que a "boa intenção" seja não magoar ninguém. Tá, e o inferno como anda?! Tudo isso caí por terra e a gente sofre, e a dor acaba virando ódio, e o ódio acaba virando mágoa, e o começo e o meio da história que foi lindo a gente se esforça pra esquecer. Afinal, o fim foi nojento. 
Eu não sou fácil eu sei disso, como já disse a Fernanda Young, "nada é simples. Nada é pouco quando o mundo é o meu". Mas nunca obriguei ninguém a ficar do meu lado. Nem pedi para ser poupado das verdades da vida. Aliás, sempre admirei gente honesta, que diz o que quer, pensa, sente... doa a quem doer. Se ficar sozinho é o preço a pagar para ser como eu sou, eu banco. Alto de mais seria ter que fingir uma coisa que eu não sou, para ter você ou quem quer que fosse ao meu lado.  
Não podemos controlar o mundo. Nem as pessoas. Então da próxima vez, que não será comigo, má-nem-fodendo!, não arme um mundo lindo onde todos saem felizes e contentes, enquanto um trocha acredita numa mentira, porque quando a verdade aparecer, o trocha sofrerá muito mais. 
Para finalizar, no fim o que resta são os livros, as músicas e as lembranças que de algumas pessoas são recordações, de outras são fantasmas que nos assombram. E quando mais conheço os seres humanos, mais admiro os gatos, as cobras e as corujas...    

Fim!

6 de mar de 2014

Silêncio

Silêncios são também uma resposta. E feliz ou infelizmente dizem muita coisa. 


Fragmento de um diálogo carnavalesco

- Vai pro carnaval esse ano, né?
- Vou...
- Eba, eu também. 
- Iupi.... 
- O que foi, não tá animado? Se anima ai...
- Tô pelo menos há esperanças de algumas horas de alegria
- Algumas só? 
- É, algumas já tá bom demais. 
(...)
- Não entendo o desânimo...
(...)
- Eu queria mesmo um amor de carnaval, mesmo que acabasse na quarta de cinzas, melhor no desfile das campeãs...
- Quem sabe? Vai que arrume um amor de carnaval que dure até depois do desfile das campeãs. Seria histórico.
- Não, seria milagre mesmo.

25 de fev de 2014

w.

por algum tempo senti saudades de você. saudade do seu olhar de segurança, do seu cheiro misterioso, do seu corpo pressionando o meu. me fazia falta a sua mão sobre o meu corpo e da voz rouca me dizendo "oi" ou "você vem?". por algum tempo senti saudades do seu corpo nu, da sua cama, das tardes de chuva que passamos sobre ela. por algum tempo senti falta de te ver, de me encantar com o seu sorriso. hoje eu senti tanta saudade das nossas conversas: você falante, eu com minhas respostas monossilábicas, você com as suas histórias, eu com as minhas incertezas, você com o seu humor ácido, eu com minha esperança. hoje eu só queria conversar por horas e horas com você para dizer que você estava certo em muitas coisas, eu em algumas, para esquecer dos problemas, para falar mais que as respostas monossilábicas de antigamente. é no mínimo estanho que você ainda faça tanta falta. 

20 de fev de 2014

Meu coração ainda me matará

Achei que um dia não suportaria os abandonos, a solidão, tantas despedidas. 
Sempre achei que meu coração uma hora não suportaria apanhar mais.
Até que descobri que meu coração nunca bateu regularmente,
Há um descompasso em cada pulsar.
Ele não segue o ritmo para bater.
Agora tenho certeza meu coração ainda me matará.

9 de fev de 2014

Eu, nada

Segunda, quando não, terceira opção. Tapa buraco. Substituto. Supérfluo. Substituível. Facilmente descartável. Um zero à esquerda. Facilmente esquecível. Minha família me esqueceu no zoológico quando eu era criança. Poucos professores lembravam o meu nome, alguns nem lembravam que eram meus professores. Alguns conhecidos, quando precisam, até se lembram, mas como não sou rico, nem bem relacionado, nem tenho poder nenhum, eles raramente precisam de algo. Meus amigos, esquecem meu aniversário, esquecem de me desejar feliz natal, mas tudo bem eles eu perdôo. Acho até que alguns que juraram me encontrar no fim de semana seguinte, ou me ligar no dia seguinte, esqueceram de mim, do meus nome, ou do número de telefone. O fato é que não sou inesquecível, imprescindível, necessário para ninguém. Um outsider cuja a existência é quase nada... talvez um erro despercebido da natureza! 

26 de jan de 2014

Quem foi que disse que todo sorriso é de alegria? Ás vezes, sorrio porque não quero que todos saibam o caos que está minha vida. Nem que a vida tem sido bem dura, nem que tudo tem sido bem difícil. Há os que sorriem diante das surpresas que a vida lhes joga no colo, eu sorrio para disfarçar que apesar de todo esforço, de muito empenho, de tanto desejo sempre acabo morrendo na praia. Sempre fico a um passo de..., há sempre um porém, contudo, infelizmente...  

22 de jan de 2014

Fragmento de um diálogo que deveria ter acabado em beijo

- acho que perdi a esperança. não tenho mais a sua capacidade de acreditar no melhor...
- eu acredito por nós dois. 


18 de jan de 2014

Para:

para combater o calor: sorvete
para diminuir o frio: cobertor
para uma tarde no interior: banho de rio
para um domingo de sol: mar
para uma noite de sábado cinza: cinema
para a solidão: amar
para o amor não correspondido: tempo

1 de jan de 2014

Esperança renovada


Na virada do relógio, do novo ano, a esperança se renova: que este seja ainda melhor do que aquele que acabou. 

Planos, metas, sonhos e desejos para 2014: 

- Enfim, terminar a graduação (não aguento mais);
- Ganhar dinheiro, o que implica trabalhar muito;
- Namorar...;
- Escrever bem mais que em 2013;
- Viajar mais; 
- Ir a mais shows;
- Estudar mais inglês, e voltar a estudar espanhol; 
- Definir o tema e autores do projeto de mestrado;
- Namorar... (é por garantia, espero que dure)
- Ser feliz

Lema, mantra, lição para 2014: 

"Isso também vai passar."

Àqueles que ainda passam por aqui, um excelente ano, tudo de melhor: