27 de abr de 2010

Para rir um pouco!!!

Só poderia acontecer em tempos de internet...

Mensagem moderna


Um casal decide passar férias numa praia no Caribe, no mesmo hotel onde passaram a lua de mel, 20 anos atrás.

Por causa do trabalho, a mulher não pode viajar com o marido, deixou para ir alguns dias depois.

Quando o homem chegou ao quarto do hotel, percebeu que havia um computador com acesso à internet. Então, decidiu enviar um e-mail à mulher; porém ao digitar o endereço de e-mail de sua esposa erra uma letra e sem perceber envia à uma outra pessoa o e-mail.

O e-mail é então recebido por uma viúva que acabara de chegar do enterro de seu marido. Ao conferir seus e-mails ela desmaia instantaneamente.

O filho ao entrar encontra a mãe desmaiada próximo ao computador, então ele lê na tela o seguinte e-mail:

Querida esposa, cheguei bem...

Provavelmente você se surpreenda em receber notícias minhas por e-mail, mas agora tem computador aqui e pode-se enviar mensagens às pessoas queridas. Acabo de chegar e já me certifiquei que está tudo preparado pra você vir na sexta feira.

Tenho muita vontade de te ver e espero que sua viagem seja tão tranqüila como foi a minha!

Obs: Não traga muita roupa, aqui faz um calor infernal!

21 de abr de 2010

Se

Como seria bom viver em um planeta diferente, não me entendam mal, não quero me mudar pra Vênus ou Saturno, queria apenas que as coisas fossem um tanto diferentes por aqui mesmo.

Seria tão bom, se a vida fosse mais fácil, se o tempo fosse sempre como as tardes de outono ou as noites de verão, que não nos preocupássemos tanto com os problemas, que déssemos mais valor ao escasso e fugaz tempo que temos para construir uma vida.

Seria perfeito se as amizades nunca se desfizessem, os amores durassem eternamente e a paixões esfriasse sem nenhuma mágoa para qualquer um dos lados. Se as princesas não se transformassem em bruxas com o tempo e os príncipes jamais se tornassem sapos depois de beijados, para alguns ainda seria necessário que os sapos se tornassem príncipes.

Pra melhorar ainda mais, seria fantástico se toda sexta fosse um feriado, e que nas segundas - feiras todos tivéssemos o direito de ficar uma hora a mais na cama, e entrar mais tarde no trabalho, na escola, ou aonde quer que seja.

Se houvesse mais verde, mais respeito, mais gentileza entre as pessoas haveria, mais felicidade, mais educação, mais sorrisos e muito mais amor. Logo, se assim o fosse haveria menos guerra, menos rancor, menos desrespeito, menos insatisfação.

E se a realidade não fosse tão diferente da imaginação, talvez não houvesse os sonhos e os delírios loucos de quem fica sonhando com um mundo imaginado na inexistência de um provável se.

11 de abr de 2010



FUI


Não me deixei prender. Libertei-me de todo e fui
em busca de volúpias que em parte eram reais,
em parte haviam sido forjadas por meu cérebro;
fui em busca da noite iluminada.
E bebi então vinhos fortes, como
bebem os destemidos no prazer.


Konstatínos Kaváfis

(tradução de José Paulo Paes)

10 de abr de 2010

"Quero apenas cinco coisas...


Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando"


Pablo Neruda


9 de abr de 2010

O muito às vezes é tão pouco

Decidi não contentar-me mais com as migalhas ou com aquilo que venha a sobrar para mim, prefiro o nada ao muito pouco. Ainda mas sendo praticamente impossível viver no nada por muito tempo; mais cedo ou mais tarde algo que seja completo e não mais um simples resto deve surgir.

Assim quando as luzes se acenderem não estarei mendigando um pouco do que quer que seja. Ou não me verão, ou então serei o ator principal da minha própria história. E assim sendo quando as luzes se apagarem não sairei de cena com um gosto amargo de “quero mais” na boca; ou brindarei a vida, a completude e o sucesso entre luzes, risos e satisfação, ou então, me encontraram apenas em algum beco escuro ou calçada imunda da cidade.

A mais cruel das atitudes cometida contra eu mesmo foi não me importar e aceitar o pouco que me ofereceram, mesmo sendo esse pouco, o máximo que poderiam me dar; e muito menos que o mínimo do que eu desejava receber.