24 de dez de 2012

E quando eu menos esperava, onde eu menos esperava a dor bateu forte na boca do estômago. Era saudade, vontade, desilusão, tudo ao mesmo tempo. Eu não entendi porque ali naquele momento, mas não precisava entender. Me entreguei a tudo, vivi intensamente, até a última gota de desespero. Porque quem não tem medo da dor, não auto furta o direito de viver qualquer outro sentimento. Não é fácil, nem bom. No entanto, só quem é desesperadamente louco, vive, mergulha de cabeça conhecendo ou não o que encontrará lá no fundo. E estou nesse caminho de loucura. Quero uma vida de exageros, desesperos, paixões arrebatadoras. Amy entenderia,  ela viveu assim, se mostrou assim assim, e cantou a música que se encaixa perfeitamente àquele momento. As ruas molhadas, a saudade, e tudo mais...


Nenhum comentário:

Postar um comentário