14 de nov de 2010

Do adeus, que não ouvi


Eu te esperei a tarde inteira,

pelas tardes de todos esses anos.

E cheguei a jurar para mim mesmo que não sofreria mais

com a tua ausência.

E, é estranho, pensar que entre nós

existe apenas algo que é menos da metade

daquilo que eu desconheço.

Eu já arrumei gavetas, papéis, cartas e lembranças

Eu revirei o meu juízo

Tentado encontrar o momento em que tudo se perdeu.

Por que você se foi?

Por que eu ainda te espero?

Eu me perdi em mim

Tentando encontrar você

Eu te perdi por te querer

E continuo te querendo

Apesar de tudo o que nem chegou a acontecer.

Um comentário:

  1. As esperas... sei o que é isso, meu caro!
    Que belo poema!
    Bj*

    ResponderExcluir